Translate

domingo, 11 de setembro de 2011

Hereditariedade Divina

Deus existe?
Essa é uma pergunta que o homem tem feito a si mesmo nesse caminhar terreno, não encontrando respostas que o satisfaça plenamente, tendo grande dificuldade de compreender a existência de Deus.
Deus existe mesmo? Ou é produto de anseios, medos e necessidades prementes, perante aquilo que não aceitamos ou não entendemos ?
Afinal a morte, as doenças, os revezes da vida acontecem à nossa revelia, e justamente nestes momentos é que resolvemos por a questão da “existência de Deus” à prova, buscando-o ansiosamente na esperança de soluções; ou repelindo-o, dizendo ser impossível sua existência, pois se ele existisse, tal fato ou circunstancia não nos acometeria.
Acredito que todos nós tenhamos recebido orientação religiosa quando crianças,mas tal fato não faz de nós alguém crente em Deus.
Ao contrário, talvez venha daí essa percepção errônea de que Deus existe a partir do momento no qual soluciona nossos problemas.
Nós sempre reconhecemos em quem detém a “autoridade”, alguém para nos ajudar, e é assim que reconhecemos erroneamente Deus em sua paternidade.
Há uma grande diferença entre religião e religiosidade.
Religião é uma organização humana, fundamentada num conjunto de crenças  sobre Deus, na vida, na morte, no Universo
Religiosidade é a certeza formada em nossa alma através de experiências vividas em nossa interioridade sobre Deus, na vida, na morte, no universo.
Quando crianças, queremos ver Deus, imaginando que ele seja o velho barbudo  dos afrescos de Miguelangelo.
Confundimos o criador com as criaturas, atribuindo-lhe suas imperfeições.
Essa é a idéia antropomórfica de Deus, ou seja, como se fosse uma personificação humana.
Quando adultos, aprendemos que ao invés de perguntarmos: - Quem é Deus?
Devemos perguntar: - O que é Deus?
Como fez o Sr. Kardec à espiritualidade.
E o Espiritismo nos esclarece: - “Deus é a inteligência suprema, causa primária de todas as coisas.”.
Assim sendo, a idéia de Deus como causa primária, está inserida na nossa consciência divina, como estão os genes em nossa hereditariedade humana.
O Sr. Kardec, em suas pesquisas, questionava à espiritualidade, pois muitos diziam que a “consciência divina”  tinha como referencia os costumes, as crenças,a educação. Mas ele, refutava, dizendo que os selvagens não possuíam esses quesitos e que mesmo assim “reconheciam a existência da Divindade”, adorando-a através da Natureza.
Esse é  o principio da Lei de Adoração.A consciência da “paternidade divina” em nós.
Interessante é que estudos científicos em animais, observou-se comportamentos estranhos ante a Natureza.Em pesquisas recentes com primatas, realizada com chimpanzés na Tanzânia pela britânica Jane Goodall; ao estudá-los, Goodall descobriu que eles agem de maneira nada usual diante de uma cachoeira, adotando um comportamento de reverência que ela chamou de “senso místico”. 
*Abraham Lincoln,dizia:  - Posso compreender como seria possível um homem olhar com ares de superioridade para a Terra e ser um ateu, mas não posso conceber como poderia levantar os olhos para o céu e dizer que não há Deus".
Podemos ver e sentir o Criador pela beleza e perfeição de sua obra..
 Assim sendo, a magnitude de tudo que nos circunda e que nossa inteligência nos diz não ter sido feita pelo homem, é com certeza Criação de Deus..
Deus assim é causa,e a Criação, efeito.
Para compreende-lo nos falta sentido próprio que só se completa pela depuração do espírito.
Mas nós podemos senti-lo e vive-lo em nossa alma.
*Leon Denis dizia que quanto mais profundo e complexo era o assunto, mais devíamos vive-lo em nossa interioridade e não busca-lo em nossa exterioridade.
A idéia de Deus como sendo o nosso Pai, nos foi trazida por Jesus.
A parte mais importante da revelação do Cristo, no sentido de fonte primária, de pedra angular de toda a sua doutrina, é o ponto de vista inteiramente novo que considera a Divindade um Deus clemente,soberanamente bom e justo,cheio de mansidão e misericórdia....O Pai comum do gênero humano que estende a sua proteção por todos os seus filhos e os chama todos a si.
Toda a doutrina do Cristo se funda no caráter que Ele atribui à Divindade como um Deus imparcial, soberanamente justo, bom e misericordioso.E é através da compreensão dos atributos de Deus,que podemos entendê-lo melhor.
Mas não nos esqueçamos que nossa morada aqui na Terra é para progresso e evolução. Existem leis sabias que nos conduzem através de causas e efeitos, assim como livre arbítrio. O que faz com que tenhamos de agir e escolher, assumindo nossas “responsabilidades”, crescendo rumo ao infinito,dentro de um contexto de libertação de nós mesmos através do amor.Tendo os homens melhores condições de entender a essência das coisas e, como conseqüência, poderão fazer uma idéia mais justa da Divindade.
Dizia o pensador e poeta *Paul Valéry: - Que seria de nós sem o socorro daquilo que não existe?





*Dame Jane Goodall DBE, PhD, (Londres, 3 de Abril de 1934, de nome completo Valerie Jane Morris Goodall) é uma primatóloga,etóloga e antropóloga britânica
Estudou a vida social e familiar dos chimpanzés (Pan troglodytes) em Gombe, Tanzânia, ao longo de 40 anos. Os seus estudos contribuíram para o avanço dos conhecimentos sobre a aprendizagem social, o raciocínio e a cultura dos chimpanzés selvagens.
É mensageira da paz das Nações Unidas, fundou o Jane Goodall Institute e é afiliada ao ao grupo defensor dos animais Humane Society of the United States.[1] O seu trabalho é reconhecido e já foi homenageada em muitas ocasiões com honrarias académicas diversas e prémios científicos.

*Ambroise-Paul-Toussaint-Jules Valéry (Sète, 30 de outubro de 1871  Paris, 20 de julho de 1945) foi um filósofo, escritor e poeta francês daescola simbolista cujos escritos incluem interesses em matemática, filosofia e música.

*Abraham Lincoln (Hodgenville, 12 de fevereiro de 1809  Washington, 15 de abril de 1865) foi um político estadunidense, 16° presidente dos Estados Unidos de março de 1861 até seu assassinato em abril de 1865. 

*Léon Denis (Foug1 de janeiro de 1846 - Tours12 de Março de 1927) foi um filósofo espírita e um dos principais continuadores do espiritismo após a morte de Allan Kardec, ao lado de Gabriel Delanne e Camille Flammarion. Fez conferências por toda a Europa em congressos internacionais espíritas e espiritualistas, defendendo ativamente a idéia da sobrevivência da alma e suas conseqüências no campo da ética nas relações humanas.