O Evangelho Segundo o Espiritismo - Bispo de Alger

Catedral de Notre Dame na Àfrica
 ( Argélia)
Em abril de 1864 é  lançado através da Revista Espírita a primeira edição do Evangelho Segundo o Espiritismo.
Esse livro trás uma nova interpretação do Evangelho Bíblico de Jesus de Nazaré, analisados a luz do Espiritismo. Trata-se da parte ético-moral da doutrina espírita.
Em sua primeira edição, chamava-se "Imitação do Evangelho Segundo o Espiritismo", adquirindo o nome definitivo a partir da segunda edição de 1865.
Em novembro de 1865, Kardec informou aos leitores que estava no prelo para aparecer em poucos dias a “terceira edição” do Evangelho Segundo o Espiritismo.
São suas as palavras transcritas a seguir: 
"Esta edição foi objeto de um remanejamento completo da obra. Além de algumas adições, as principais alterações consistem numa classificação mais metódica.”
No evangelho segundo o Espiritismo são abordados os Evangelhos canônicos sob a óptica da Doutrina Espírita, tratando com atenção especial a aplicação dos princípios da moral cristã e de questões de ordem religiosa como a da prece e da caridade.
Denominam-se evangelhos canônicos aqueles que a Igreja reconheceu como os que transmitiram com autenticidade a tradição apostólica e foram inspirados por Deus. 
São quatro: Mateus, Marcos, Lucas e João.
O Evangelho Segundo o Espiritismo foi dividido em cinco partes; análise dos atos comuns da vida do Cristo; dos milagres; das profecias; das palavras que serviram para o estabelecimento dos dogmas teológicos e do ensino moral. 
Entre os vários Espíritos que colaboraram com suas instruções estão os padres educadores Lacordaire e Lamenais, Fénelon (escritor, político, orador, educador e arcebispo de Cambrai), Santo Agostinho (Bispo de Hipona e pai da Igreja Latina), São Luís (um dos reis da França na época das cruzadas), Paulo Apóstolo, Erasto (discípulo de São Paulo), François Nicolas Madelaine (Cardeal Marlot), Sansão, antigo membro da Sociedade Espírita de Paris, Adolfo (Bispo de Alger), João (Bispo de Bordeaux), Vianney (Cura de Ars), Emmanuel, São Vicente de Paulo, Cáritas, Pascal (geômetra, físico, filósofo, e escritor), Irmã Rosália, Enri Eine, Elizabeth de França, Delphine de Girardin, François de Genève, Lázaro, Hahnemann, Simeão, Dufêtre (Bispo de Nevers), Jules Olivier, Michel, V. Monod, uma rainha de França, entre outros, além do Espírito de Verdade, que para muitos se não é o próprio Cristo, certamente é uma plêiade de sublimes procuradores do além que agiram com a permissão direta do Governador da Terra.
Dentre todos escolhemos "Antoine-Adolphe Dupuch" seja; Adolpho" Bispo de Alger" para esse texto, pois fatos interessantes envolveram sua vida quando encarnado assim como a diocese de “Alger”
As mensagens desse espírito se encontram em “O evangelho segundo o Espiritismo”, sob as denominações de “O orgulho e a humildade” – Instruções dos espíritos, cap. VII, item 12, datada de 1862, em Marmande;  “O duelo” – Instruções dos espíritos, cap. XII, item 11, de 1861, mesma localidade e “A beneficência” – Instruções dos espíritos, cap. XIII, item 11, escrita em Bordeaux em 1861.
Adolfo, bispo de Alger. Nascimento: 20 de maio de 1800, em Bordeaux, França. Morte: 11 de julho de 1856, em Bordeaux, França, aos 56 anos de idade. “Foi o primeiro bispo de Argel, de 1838 a 1846. Tornou-se primeiro advogado, antes de ingressar na Igreja, onde foi ordenado sacerdote em 1825. Teve uma significativa ação caritativa até que o Papa Gregório XVI nomeia-o primeiro bispo de Argel, em 1838. Sua atividade foi muito importante para o desenvolvimento da Igreja na Argélia.
Dupuch dedicou-se com grande zelo para a construção de uma diocese cristã no ambiente islâmico e também trouxe muitas comunidades religiosas para a Argélia, o que lhe acarretou muitas despesas.
Mas antes que o seu trabalho pudesse dar frutos, a ruína financeira levou seu trabalho ao fim. Só depois do governo francês haver saldado a dívida, Dupuch poderia voltar à sua terra natal, onde morreu em 1856.
Seu sucessor em Argel, Louis Pavy, providenciou em 1864 para obter os  restos mortais de Dupuch para a Argélia e onde foram enterrados na Catedral de Argel.
Sua biografia é longa sob o ponto de vista de seu trabalho e feitos. Sua atuação não é só religiosa, mas política e social e falam das relações humanas.
Com certeza o aprendizado desse espírito nesta reencarnação é precioso, pois vivencia ao mesmo tempo, os testemunhos da igreja e da fé em seu tempo, os interesses políticos da França sobre a Argélia, a responsabilidade das suas dioceses, o sofrimento e a dor do povo que vivia os interesses de outros países por suas terras, além das grandes transformações sociais  ocorridas.
O interessante é que após sua morte, ( 1856 ) retornando a espiritualidade o  Bispo de Argel torna-se  um dos espíritos que se comunicam através da mediunidade ( 1861 / 1862 )  junto as pesquisas de Allan Kardec  trazendo as mensagens que formam os conteúdos do cap.VII do Evangelho Segundo o Espiritismo “ Bem Aventurados os pobres de Espírito” deixando assinado : - Adolfo, Bispo de Alger, Marmande 1862..
O fato é que; o espírito ao desencarnar passado o momento de perturbação, com ajuda da espiritualidade, entra em contato com a sua “consciência integral” tomando ciência de sua imortalidade, da importância de sua atuação e trabalho no campo do bem na precedente reencarnação, tendo sido instrumento nas obras do Pai.
Trabalho esse que continua abrangendo o plano físico, mesmo que estejamos no plano espiritual.
Outro fato importante que envolve os “ Bispos de Alger” é que Louis Antoine Pavy conhecido como Monsenhor Pavy sucessor
de Adolf Duduch após ser designado “Bispo de Alger ” envia uma pastoral contra o Espiritimo aos senhores curas de sua diocese, em 18 de agosto de 1860 sob o título de “Carta circular e pastoral sobre a superstição dita Espiritismo “. Essa brochura enviada a diocese dizia ser o Espiritismo um outro flagelo  que se acercava das colônias da Argélia, já tão divididas entre judeus, muçulmanos, islâmicos, materialistas.
Essa sua ação determinou aquilo que a espiritualidade dissera a Kardec quando a consultara referente ao lançamento do livro; Evangelho Segundo o Espiritismo.
Que ele seria muito criticado pela igreja, mas essa critica também ajudaria a divulga-lo. E foi o que ocorreu, pois essa pastoral divulgou o interesse geral sobre esse assunto na Argélia .
Esse fatos nos fazem refletir e rever posições antagônicas que as vezes tomamos em nossas vidas e que devem ( e o que é melhor)  podem ser refeitas quando a criatura busca a verdade que felicita e engrandece o homem, que é o espirito eterno, filho de Deus Pai Criador.
Por isso para nossa reflexão encerramos com os dizeres de Adolfo bispo de Alger no ultimo parágrafo em sua mensagem “ O orgulho e a humildade.”
“ Pobre raça humana, cujos caminhos foram todos corrompidos pelo egoísmo, reanimai-vos apesar disso! Na sua infinita misericórdia, Deus envia poderoso remédio aos teus males, um socorro inesperado à tua aflição. Abre os olhos à luz; eis que as almas dos que se foram estão de volta para te recordar os verdadeiros deveres . Elas te dirão com a autoridade da experiência, quanto as vaidades e as grandezas da vossa passageira existência são pequeninas, diante da eternidade. Dirão que nesta será maior o que foi menor entre os pequenos deste mundo; que o que mais amou seus irmãos será o mais amado no céu; que os  poderosos na Terra, se abusaram da autoridade, serão obrigados a obedecer aos seus servos; que a caridade e a humildade, enfim. Essas duas irmãs que se dão as mãos, são os títulos mais eficazes para obter-se a graça do Eterno.”


Quero deixar aqui meu agradecimento a quem me ajudou a melhorar a pesquisa sobre esse texto, alterando pessoas e datas pesquisadas para que eu também encontrasse a verdade.


OBS:
Liderança do Bispado de Argel de 1845 / 1953.
·         Bispo Antoine-Louis-Adolphe Dupuch (13 de setembro de 1838 – 9 de dezembro de 1845)
·         Bispo Louis-Antoine-Augustin Pavy (16 de abril de 1846 – 16 de novembro de 1866)
·         Cardeal Charles-Martial Allemand-Lavigerie (27 de março de 1867 – 25 de novembro de 1892)
·         Arcebispo Auguste Prosper Dusserre (26 de novembro de 1892 – 30 de dezembro de 1897)
·         Arcebispo Fédéric-Henri Oury (28 de novembro de 1898 – 15 de dezembro de 1907)
·         Arcebispo Barthélemy Clément Combes (22 de janeiro de 1909 – 2 de janeiro de 1917)
·         Arcebispo Auguste-Fernand Leynaud (2 de janeiro de 1917 – 5 de agosto de 1953)
·         Cardeal Léon-Etienne Duval (3 de fevereiro de 1954 – 19 de abril de 1988)
·         Arcebispo Henri Antoine Marie Teissier (19 de abril de 1988 – 24 de maio de 2008)
·         Arcebispo Ghaleb Moussa Abdalla Bader (desde 24 de maio de 2008)


Revista Espírita 1863 » Novembro » Pastoral do Sr. bispo de Argel contra o Espiritismo



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A cada um segundo sua obra - A Determinação

O Sono E a Mediunidade

"Aquele que tem olhos de ver que veja,aqueles que tem ouvidos de ouvir que ouça"